huluhub.com
180 acessos

Ciclone IDAI na Cidade da Beira – Moçambique



Ciclone IDAI na Cidade da Beira – Moçambique

A Universidade Zambeze coordena os trabalhos de ajuda humanitária às vítimas do Ciclone IDAI na Cidade da Beira – Moçambique

 

Em 14 de Março do ano corrente, o Ciclone IDAI chegou a Moçambique, através da cidade da Beira, com ventos de até 220 km por hora e foi seguido de fortes chuvas. Sua passagem danificou casas, provocou inundações e deixou destruídas 90% de infraestruturas de particulares e de instituições públicas e privadas,

Na sequência, dados preliminares indicam 468 óbitos, 531 mil pessoas afetadas pelo desastre natural, das quais 135 mil pessoas encontram-se em Centros de Acomodação.  O balanço de vítimas poderá aumentar, na medida em que já há registo de surtos de cólera, prevendo-se ocorrência de muitos outros casos provocados por essa doença e pela Malária.

De referir que a cidade Beira encontra-se numa posição estratégica para o país e alguns países da região, pois é a segunda cidade mais importante de Moçambique, detém o segundo maior parque industrial e Centro Logístico do país, que alberga 4 países da região e possui diversos armazéns de trânsito de produtos. É, também, uma cidade universitária, contando, neste momento com 8 instituições do Ensino Superior, entre públicas e privadas.

Nesse contexto, a Universidade Zambeze (UniZambeze), instituição pública sediada naquela cidade, não obstante os  avultados danos materiais verificados nas suas infraestruturas e equipamentos, na sequência dessa catástrofe, está a trabalhar de forma obstinada no registo das pessoas que estão nos Centros de Acomodação, numa iniciativa em estreita coordenação com o Ministério de Ciências e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional de Moçambique.

A Comissão de Emergência Pós-Ciclone IDAI da UniZambeze está a trabalhar para a recuperação dos edifícios e equipamentos, e juntamente com outras 2 instituições de Ensino Superior prestam ajuda humanitária por meio de assistência médica, aconselhamento psicológico e registo de famílias que se encontram nos Centros de Acomodação. Neste processo destaca-se a participação voluntária dos estudantes e docentes de 3 Instituições de Ensino Superior, locais, envolvidas.

Para além dos estudantes, participam ativamente os técnicos das Unidades orgânicas. O trabalho é coordenado pelo Prof. Doutor Nobre Roque dos Santos, Reitor da UniZambeze, apoiado pelo Prof. Doutor Júlio Taimira, Vice-Reitor do Instituto Superior de Ciências e Tecnologia Alberto Chipande – ISCTAC, e pela Profa. Doutora Fátima Batalhão, da Universidade Licungo.